quarta-feira, 19 de maio de 2010

Penitência Declarada


Penitência declarada

Na inconstante forma de pensar que em mim se delineia
Tento parar e talvez por um segundo entender
Se são os meus sonhos reais ou a loucura que me norteia
Pois uma hora eu sorrio a toa e em seguida me vejo sofrer

Faço tempestades num grão pequenino de areia
Faço da seca que destrói plantação uma tempestade
E sempre apesar de amar cuspo na cruz que me norteia
E falo a figura nela incrustada apenas minhas inverdades

Crio minha penitência desejando o esperado castigo
Crio minha manhã fria apesar do sol ensolarado
Sou a fuga procurando o seu último abrigo
Sou a despedida de um encontro marcado

Porque às vezes sou a diferença da igualdade?
Porque tantas palavras crio sem querer nada dizer?
Porque caio na solidão pra fugir da felicidade?
Porque essa penitência declarada é quem me faz viver?

Fernando Marques

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pixinguinha, Chico Buarque, Noel Rosa, Luís Fernando Veríssimo, Tom Jobim, Vinícius de Moraes....

Loading...